28 de setembro de 2012

Mais um casamento ... de novela !!!

Oiee gentemm, quando vi essas fotos eu tinha que colocar aqui né minha gente!

Mais um Casamento Duplo em Cheias de Charme, só que dessa vez a festa é do Borralho. 

Maria Aparecida se casará com  um exclusivo vestido da estilista Lethicia Bronstein que custa R$25 mil.
O modelo é da coleção prêt-à-porter e é composto por um corpete e uma saia enorme de tule, tudo coberto por um gazar de corações - explicou a estilista.
look cheio de romance de Cida ainda é completado por uma grinalda que imita folhas e pelo véu, de tamanho médio.

Vestidinho caro né? 

Acho esses dois fofos demais ...

Já a líder das empreguetes, Maria do Rosário, usa muita renda no vestido e no véu. Não achei quem assinou o vestido, mas tá com cara de Lethicia Bronstein também. Eu achei lindo !!!

Amei o vestido !!!
Ai Ai, esse Inácio é lindo demais né minha gente !!

O jeito é não perder o ultimo capitulo da novela, que vai ao ar hoje a noite.
Me digam depois o que vocês acharam meninas ...
Bjinhusss


13 de setembro de 2012

Serie Casamentos - Suécia

God Morgon, tudo bem? 

Vamos conhecer hoje um casamento bem tradicional, sem muitas regras e padrões estabelecidos.
Aliás, apenas uma regra é rigorosamente imposta para que os noivos possam casar na igreja, uma tradição que continua até os dias de hoje. Quero ver você descobrir !!!
Com vocês ...



Os suecos costumam ser muito liberais em relação às suas tradições. Por isso, os casamentos naquele país não seguem um padrão obrigatório; muitas vezes, chegam a ter caráter mais informal. Em geral, a maioria dos casais suecos decide oficializar a união após homem e mulher já terem vivido juntos por alguns anos.

O verão costuma ser a época mais procurada para esses eventos, porque a estação possui dias mais longos — que podem chegar a 20 horas — e clima agradável.


Uma característica muito marcante da cerimônia de casamento na Suécia está na entrada dos noivos: eles caminham lado a lado em direção ao altar. Essa tradição é muito importante e simboliza que ambos estão ali por vontade própria, e não "empurrados" pela família.

Essa simbologia é levada tão a sério na Suécia que, em 2010, quando a princesa Victoria quebrou o protocolo e subiu ao altar acompanhada de seu pai, tanto as autoridades locais quanto a população se revoltou contra o evento. Na ocasião, até o chefe da Igreja sueca, o arcebispo Anders Wejrvd, tornou pública sua desaprovação.



O casamento tradicional da Suécia reúne ainda outras peculiaridades. Entre elas, o hábito de utilizar buquês feitos de ervas daninhas, pois acredita-se que esse tipo de planta seria capaz de espantar o mau olhado.


A noiva deve, também, carregar uma moeda de ouro dentro de seu sapato direito e uma de prata no esquerdo, como forma de trazer sorte. De preferência, todos esses itens devem ser presentes de seus pais.


A festa, depois da cerimônia, não costuma contar com tradições específicas. Geralmente, os noivos são homenageados pelos convidados, que fazem diversos discursos e contam histórias sobre a vida do casal. A comemoração pode ter música, comida e até show pirotécnico.



CURIOSIDADES



  • A Coroa pertence à família da noiva ou da igreja e se for da família é passada de geração para geração.
  • smorgasbord é tradicionalismo e não pode faltar (na verdade isso não é um prato e sim uma refeição composta por vários pratos.) E falando em comida as Almôndegas suecas são uma obrigação no Buffet do casamento.

  • Ao longo do jantar, todos os convidados cantam canções comemorativas, e também são bem-vindos para dar palestras ou brindes em homenagem ao novo casal. A noiva sueca recebe dois anéis de ouro: uma para admissão e uma para o casamento.


Eu gostei da ideia dos noivos entrarem juntos, porém acho que a emoção de andar todo o trajeto ao lado do Pai e ver seu noivo te esperando no altar, essa emoção ... não tem preço !!
E vocês, o que acharam? 
Bjinhuss e amanhã tem muito mais !!!

Fontes:

12 de setembro de 2012

Serie Casamentos - Mexicano

Buenos Dias personas hermosas, todo bien?

Hoje um casamento com  muita cor, muita música e muito ... chili !!
Com vocês um típico


O México é um país conhecido por sua ampla diversidade cultural, capaz de combinar harmoniosamente o tradicional com o moderno. Uma vez que os mexicanos costumam ser bastante religiosos e o catolicismo é predominante no país, a cerimônia de casamento mexicana normalmente é realizada de acordo com os ritos católicos. Por outro lado, a festa reflete toda a riqueza cultural e costuma ser rica em detalhes,  cores, músicas, e muita animação.

A família e os amigos próximos do casal cumprem papel fundamental no casamento mexicano, envolvendo-se diretamente com todo o processo de planejamento e organização. Tradicionalmente, esse tipo de evento era celebrado na casa da noiva, que confeccionava seu próprio vestido com a ajuda da mãe.
O noivo e sua família iam até a casa dos pais da noiva e lhes entregavam uma caixa cheia de presentes. Após a cerimônia, levavam a moça para viver na casa deles. Hoje em dia, assim como no Brasil, as cerimônias são realizadas em igrejas ou locais reservados para abrigar eventos, e a noiva compra seu vestido já pronto.

Um ritual muito tradicional do casamento mexicano é o das 13 moedas de ouro. Elas são oferecidas pelo noivo como uma promessa de fidelidade, confiança sobre todos os seus bens e garantia de que nada faltará a esposa. Quando a noiva aceita as moedas, demonstra apreço pela confiança, prometendo também fidelidade, dedicação, zelo e prudência. O número 13 é uma referência a Cristo e seus 12 apóstolos.


Após esses votos, o padre envolve o casal com um rosário em forma de oito, simbolizando a união eterna. A festa que se segue à cerimônia é composta por muita música, conduzida por mariachis (músicos típicos daquele país), e comidas festivas regionais, como tortilla, arroz picante e feijões.


CURIOSIDADES
Traje: A noiva pode vestir um vestido de cores vivas, de estilo flamenco com babados na bainha. O noivo provavelmente vai usar uma guayabera, camisa de manga curta não só é perfeito para as temperaturas tropicais, como também é um símbolo de elegância masculina Latina.

A comida: Pimenta não pode faltar,  arroz, feijão e tortilhas. O bolo é sempre uma deliciosa atração, é feito com nozes e frutas secas - e embebido em rum o suficiente para envolver todos os convidados
A música: Como a noiva e o noivo dançam, os convidados se reúnem em torno em forma de um coração. O casal faz um arco com os braços, e as mulheres começam a dançar La Víbora de La mar (A dança da serpente) passando uma a uma pelos recém casados



Interessante né?
Li também que as tradições do casamento mexicano são mais fortes em locais e distritos mais afastados da agitação e modernidade dos grandes centros urbanos do México.
É muito mais fácil encontrarmos uma cerimônia de casamento com moldes brasileiros e a festa repleta de tradições mexicanas.

Amanhã tem mais ...
Bjinhuss

11 de setembro de 2012

Serie Casamentos - Francês

Bonjour belles personnes, allez bien ?
(Bom dia belas pessoas, tudo bem?)

Eu estou bem ...
Vamos a mais um casamento digno de Paris, o ...


Conhecida pela elegância e romantismo, a França é um dos países mais desejados pelas noivas quando se imagina um cenário perfeito para o casamento ou a Lua de Mel. Mas apesar de toda a fama de glamour, as celebrações do matrimônio francês estão longe de ser grandiosas e espetaculares. Em geral, elas são caracterizadas por simplicidade e intimidade.


Para os franceses, uma festa de casamento grande é para 200 convidados, no máximo. Contudo, a maioria das celebrações é bem menor do que isso.
Tradicionalmente, a cerimônia é realizada durante o dia em um cartório ou palácio (o equivalente às igrejas brasileiras). É muito comum que os convidados - e até mesmo os noivos - sigam a pé até o local onde será realizada a recepção.

A festa de casamento costuma acontecer na casa dos pais de um dos noivos, e a própria família ajuda na recepção, servindo os convidados e preparando o almoço. O casal assume o papel de "mestre de cerimônias" e conduz a celebração com jogos, brincadeiras e discursos.

O evento segue até a noite, quando acontece a festa propriamente dita. O ponto alto ocorre com o momento de apresentação do “croquenbouche”, uma iguaria inventada por volta de 1.700 que nada mais é que uma pilha de profiteroles .  Antigamente, a tradição pedia que cada convidado levasse duas unidades do doce para os noivos. Os "bolinhos" então eram colocados um sobre o outro e formavam o bolo de casamento dos franceses.


Hoje em dia, o croquenbouche é uma grande peça feita de docinhos empilhados em formato arquitetônico, e sua entrada na festa deve ser chamativa e triunfal. No casamento, ele é considerado essencial. Por isso, quase sempre é recebido e consumido com champanhe e brindes.
Aqui no Brasil essa tradição já pegou e a moda é trocar as Carolinas recheadas por macarons, podendo ser preparados com as cores da festa.


 Uma vez que a festa normalmente possui poucos convidados, e todos - ou quase todos - são muito íntimos do casal, outra tradição muito comum na França é que cada pessoa faça votos para os noivos, contando histórias da união e homenageando a felicidade dos recém-casados. Este costuma ser um momento de muita emoção, marcando definitivamente o caráter íntimo do casamento.

Relato de um casamento verdadeiramente francês 

Tudo começou por volta das 14h quando o noivo foi buscar a noiva e juntos eles foram para a prefeitura da cidade casar no civil. Os convidados aguardavam a chegada dos noivos na própria prefeitura. O civil é bem rapidinho, coisa de 20 minutos. Depois do civil, todos seguiram para igreja, que era do lado da prefeitura. Bem pratico. 

Para ir para o local da festa, os carros seguem em comboio atrás do carro dos noivos buzinando e com pisca-alerta ligado. Fitinhas de filó são amarradas nos retrovisores e antenas dos carros dos convidados. Segundo a tradição, o ultimo carro do cortejo se chama voiture-balais (carro-vassoura). O mais comum é que seja o carro de um dos padrinhos do casamento e é o mais enfeitado de todos. 


As festas costumam ser em casarões no campo e alguns são feitos em castelos. Esta festa da história foi em um hotel lindíssimo à 3h de Paris, na cidade natal do noivo.


Os noivos e convidados chegaram ao local da festa e o cocktail, ou vin d'honneur em francês, foi servido. Tinha uma mini-arquibancada montada, com uns 3 ou 4 andares e todos os 100 convidados tínhamos que nos espremer de alguma forma para tira a foto. Ficamos na penúltima fileira: eu grávida, marido e Rafael no colo, doido para ir para o chão e fotografo mega-paciente tentando reunir todos os outros 99 convidados. Que medo daquele bagulho cair! Mas deu tudo certo, a foto ficou super legal e todos sobreviveram sem arranhões. Ufa.

Uma coisa muito diferente do Brasil é que em algumas festas na França, nem todas as pessoas são convidadas para a festa inteira. É comum que as pessoas menos intimas dos noivos sejam convidadas somente para as cerimônias do civil e/ou religiosa, cocktail e as vezes para a sobremesa, mas não para jantar. Uma vez fomos convidados para o casamento de um colega de trabalho do Rô, mas só para o religioso e o cocktail. Eu estava crente que so' ia rolar o cocktail e levei o maior susto quando vi que atras da cortina tinham mesas de jantar com nomes marcados e o nosso convite não dizia nada disso! Na hora achei o maior desaforo. Pô, me arrumei toda, perdi todo o meu dia, peguei 2h trem/metrô só para chegar lá, dei presente e os caras nem para nos convidar para o jantar? Mas depois vi que isso é costume local e que não tinha nada demais. Ainda bem que nos outros casamentos que fomos, fomos convidados até o final. E' meio chato ter que sair justamente quando a coisa começa a ficar boa.

Depois do cocktail, fotos e que parte dos convidados foi embora, começou a recepção e o jantar. Na entrada do salão tinha uma espécie de “mapinha” com os nomes das mesas e dos convidados. Aqui os lugares são marcados e a organização dos convidados nas mesas rigorosamente estudada pelos noivos antes da festa. Eles dão "nomes" nas mesas de acordo com o "tema" da festa para os convidados encontrarem suas mesas. Como esse era um casamento franco-brasileiro, as mesas tinham nomes de cidades francesas e brasileiras que os noivos já tinham visitado.


Durante o jantar: fotos do casal no telão, valsa, aquela coisa toda igual nas festas brasileiras. Mas que eu me lembre dos últimos 30 casamentos que fui no Brasil, ficava só nisso. Na França é tudo mais personalizado. Por exemplo: a irmã do noivo compôs uma canção para os noivos e cantou tocando violão na festa. Os avôs dele também prepararam uma musica e cantaram lá na hora. Um amigo (acho) passou um slide em quadrinhos da historia dos noivos. Bem legal! Essas entre outras surpresas e discursos bem emocionantes de amigos e parentes.

E então veio o jantar, com todos os pratos de um verdadeiro jantar francês (e tem gente que acha que francês come pouco, bobinhos...): pão, amuse-bouche (petiscos), entrada, sorbet (um tipo de sorvete mais leve), prato com peixe, prato com carne, queijos e quando você acha que não agüenta comer mais nada, ainda tem a sobremesa!
Ah... tinham 2 mesas só para as crianças com menu especial e umas mocinhas de baby-sitter para dar um help e propor umas brincadeiras como bolas de encher, desenho com giz de cera, etc. Como a maior parte da festa é durante dia, dá para as crianças curtirem também.  

A tão esperada hora de dançar (pelo menos para mim) é só depois do jantar. E com o tanto de pratos que costuma ter, o jantar demora a beça. Nesse ponto acho as festas no Brasil bem mais divertidas, porque a gente come, dança, bate papo com convidados de outras mesas, depois volta para o próximo prato e por aí vai. É muito menos formal. Aqui você tem que ficar sentadinho na sua mesa até o fim, conversando apenas com as pessoas da mesma mesa, às vezes por horas a fio... a duração de uma verdadeira refeição francesa. A bunda fica literalmente quadrada.

Se a galera estiver animada, a festa vai até o sol raiar. Genteee, são mais de 12h de festa! Lá pela meia-noite eu já estava cansadona e querendo cama, ainda mais passando o dia correndo atrás do menino para não fazer bobagem na festa. Antes de pedir arrego, dancei um pouco ao som de Claude François.

As simpatias? Aqui também tem. Como o tempo andava meio instável na semana do casamento e tinha possibilidade de chuva, a mãe do noivo pegou uma santa e colocou no meio do alface na horta. Simpatia para não chover no dia do casamento. E não é que funcionou? Já a noiva do dia seguinte pelo visto não fez a simpatia e choveu o dia inteiro sem parar. 

Veja mais fotos de um casamento tradicional francês nesse link aqui.
E claro, acompanhe um vídeo de um casamento lindíssimo realizado na região de Provence, sudoeste da França:



Gostaram?
Eu bem que me casaria assim !!
Amanhã tem mais ...
Bjinhuss


Fontes
Textos: 
Fotos: 
Vídeo: 




10 de setembro de 2012

Serie Casamentos - Egípcio

مساء الخير. (Boa Tarde), tudo bem ?
Mais um casamento interessantíssimo e lindo ... pelo menos eu achei !!!




Quando um egípcio gosta de uma garota, ele se abre para ela e esta conta a seus pais, que o moço em questão está interessado nela. Até aí tudo bem... agora a tradição e a diferença vem depois.
A moça pede permissão aos seus pais para poder conhecê-lo melhor. Caso a permissão seja concedida ele saem juntos , sozinhos ou com amigos, isso vai depender do acordo que fizeram com a família e aí sim podem se conhecer mais profundamente. A família de ambos também podem se encotrar em situações diferentes e marcar almoços e jantares para se conhecerem.
Caso o relacionamento dê certo e eles acharem que realmente se gostam, a família dele deverá investir mais em visitas a família dela para constar se ambos são bons partidos para seus filhos.
A família concedeu, é nessa hora que o noivo começa a abrir a carteira. Geralmente, o habibi dá um presente caro de noivado, o chamado “shabka”, que são, em sua maioria jóias de ouro e diamantes. Pode também ser um simples anel de ouro, caso a questão financeira do noivo não esteja tão bem assim.
Depois de tudo isso eles marcam a data para a festa de noivado, para mostrar para os amigos e para a família que iram se unir. Geralmente essas festas são dadas na casa de umas das famílias, a que for mais confortável, ou em um Buffet, caso sejam ricos.
Após o noivado, o noivo precisa comprar ou alugar um apartamento para eles. É costume o noivo dar ao pai da noiva uma quantia em dinheiro para que os país dela comprem móveis para a casa nova.
Depois que os móveis foram comprados o noivo se responsabiliza pela compra dos eletrodomésticos e a noiva fica com a cozinha e utensílios dessa área.
Com tudo isso, o noivo compra o vestido de noiva e paga pela festa de casamento. Muitas famílias das noivas hoje em dia partilham no preço da festa também.

Essa tradição se destina a alguns lugares do Egito, como o Cairo, por exemplo. Já no interior do pais as coisas são um pouco diferentes. Em lugares mais distantes da capital, ainda se costuma pedir um dote para entregar a filha ao seu futuro marido: pode ser dinheiro, ouro, camelos, bois, ovelhas ou terras.
As jóias que a mulher recebe no noivado e durante sua vida de casada é, de certa forma, uma "poupança" que ela vai fazendo ao longo da vida, para enfrentar algum revés.
A festa de casamento egípcio começa com uma "procissão" na rua, a zaffa, com tambores, tamborins e trompetes, que produzem uma música rítmica e ensurdecedora. Mulheres emitem um grito característico, o zagharit, como um trinado, ao agitarem rapidamente a língua. Em alguns lugares do Egito a zaffa é feita no Buffet de recepção pós casamento, já que o costume de sair na rua fica mais para famílias de baixa renda.  

Um vídeo da dança Zaffa (começa aos 1:00) 

Na frente da procissão vêm os músicos e dançarinos, vestidos com roupas brancas e vermelhas. As damas de honra, normalmente em número de seis, vestindo roupas brancas e carregando longas velas ou candelabros adornados com fitas e flores, marcham ao lado dos noivos, três de cada lado. Um pequeno garoto ou menina, à frente da zaffa, joga pétalas de rosas vermelhas sobre os noivos.
A noiva usa um longo vestido e véu brancos. Após a dança os noivos se dirigem á kosha, poltrona prateada com grinaldas de flores, no alto de uma plataforma, para uma melhor vista do salão com os convidados.


Após a recepção, os noivos passam juntos a lailat al-dokla (a primeira noite), na mesma cidade onde ocorreu a recepção. Irão passar a noite num hotel ou num apartamento vazio de algum amigo, porém nunca na casa dos pais, o que é considerado de mau agouro. A noiva dá de presente ao marido pijamas de seda, enquanto ele dá mais uma peça de jóia.

CURIOSIDADES
  • No Egito as mulheres não podem ter contato com homens que não tenha alguma intimidade com a família inteira. Quando o homem da casa (o Pai ou o marido) recebe visitas masculinas, todas as mulheres da casa devem ficar em um cômodo afastado, sem nenhum contato com esses homens. 
  • Ficar na varanda apreciando a paisagem poderia ser um momento interessante no Egito, mas nem ouse fazer isso. Expor a sua figura sem cobrir a cabeça e até mesmo o rosto é sinal de que a mulher não deve ser respeitada, ou seja, é considerada uma mulher da vida.
  • Vai a uma festa do Egito? Prepare-se para ficar apenas com as mulheres. A lei é mulheres de um lado e homens do outro.
  • No oásis de Siwa, perto da Líbia, as celebrações de casamento duram de 7 a 15 dias. A noiva troca de vestido todo dia. Assim, a partir dos 9 anos, as meninas de Siwa começam a preparar os vestidos de noiva com a ajuda da mãe e da avó.
  • As noivas dos beduínos do Sinai vestem um véu chamado konaa, decorado com moedas de ouro ou prata, conforme o status financeiro da família. O boro, que cobre a face da noiva, é também decorado com ouro ou prata e é considerado parte do dote.

  • Cada governadoria do Egito tem sua dança nupcial característica. No Alto Egito, por exemplo, há a dança do tahtib, dança da vareta, na qual dançarinos esgrimam com suas varetas ao som do mizmar, um instrumento de sopro rudimentar.

Isso é que é entrada triunfal :


Gostaram? 
Eu bem que queria uma entrada dessa !!
Amanhã tem mais ... não percam !!
Bjinhus ... 

Fontes:
Textos
Vídeos



5 de setembro de 2012

Serie Casamentos - Alemão

Guten Morgen (Bom Dia) lindonas e lindões ...
E aí, estão gostando dessa série de casamentos em diferentes culturas ?
Espero que sim ... pois dá dando mais trabalho que eu não imaginei, kakaka !!
Hoje vamos conhecer um casamento que é um pouco parecido com o nosso aqui, mas que é cheio de tradições estranhas ...
Com vocês o



Embora seja conhecida como a "terra dos poetas e dos pensadores" em razão de sua vasta contribuição para o patrimônio cultural da humanidade, a Alemanha não possui muita diversidade em relação à religião e aos costumes tradicionais.

A maior parte da população do país segue as crenças cristãs - entre luteranos, católicos e protestantes - e, por isso, a cerimônia e celebração do casamento alemão não é muito diferente da realizada no Brasil.
Por outro lado, os alemães mantêm uma importante tradição que antecede o "grande dia": o polterabend, que, em tradução livre, significa "fazer barulho à noite".


Considerado a abertura das festividades do casamento, o polterabend é uma cerimônia informal, combinada apenas verbalmente, em que parentes e amigos se reúnem na casa de um dos noivos. Para este encontro, todos devem levar muita comida e bebida, além de pratos e outros objetos de porcelana ou barro.

O ponto alto desta festa é marcado por um "quebra-quebra" generalizado: todos os pratos e potes são atirados ao chão, em meio a muita animação e dança. Os noivos, então, devem varrer todos os estilhaços, como gesto simbólico da união e trabalho em conjunto que adotarão com o matrimônio.
Essa brincadeira geralmente rende muita sujeira, e é comum que os convidados atrapalhem a limpeza ou espalhem novamente os cacos já varridos. Isso representa as adversidades que o casal enfrentará ao longo dos anos.


Copos e espelhos não são permitidos nessa tradição, pois acredita-se que a quebra de algum desses objetos pode levar azar aos noivos.
Atualmente, muitos casais optam por realizar o polterabend durante a festa de casamento, o que torna a comemoração mais prática e não causa prejuízos à tradição.

CURIOSIDADES 
  • Como os noivos já são casados, eles entram juntos no cortejo da cerimônia religiosa, geralmente realizada na igreja. A noiva transporta sal e pão no seu bolso como símbolo de riqueza e o noivo transporta grãos de cereais, para atrais saúde e sorte.
  • O anel do noivado é usado na mão esquerda e depois do casamento troca-se para a mão direita, ou seja, é o inverso do que estamos acostumadas aqui no Brasil.
  • Outra tradição é a noiva juntar moedas de um centavo durante anos para pagar pelos seus sapatos de casamento, para começar a união com o pé direito. A mãe da noiva coloca um pouco de sal no sapato direito de sua filha.  
  • Não há damas de honra, padrinhos e floristas, apenas testemunhas do sexo masculino e feminino.
Mais um casamento em que é difícil achar fotos e registros. Mas mesmo assim, fucei e achei esses vídeos da tradição mais importantes dos alemães, o polterabend: 

Tradição bem humorada !!



Nesse aqui , para a brincadeira ficar mais “segura” ao invés de pratos e potes de cerâmicas, são espalhados papéis brancos picados, e alguns adultos fazem barulhos com sacos cheios de cerâmica, assim eles não fogem da tradição e ao mesmo tempo evitam machucados ou ferimentos. Mas a sujeira é a mesma!!




Gostaram? 
Achei interessante essa ideia de quebrar as coisas, meio que estravessa a tensão ... só não queria estar na pelo dos noivos para limpar tudo depois ... kakaka 

E fiquem ligadas, amanhã tem casamentos da semana ... já que sexta é feriado, antecipei tudo ... 
Bjinhuss !!!

Fontes: 
Textos
Brideorama
Casa Eventos
Vídeos
MrJabbi79
Pabllo Pabllo




4 de setembro de 2012

Serie Casamentos - Africano

Goeie Môre (Bom dia), tudo bem?
Hoje vamos falar de uma tradição de casamento bem diferente do que estamos acostumados a ver, trata-se dos costumes no



Prepare-se ... o post será enorme !!

Conhecida por ser a região do planeta com maior quantidade de civilizações antigas, a África é um continente de extensa diversidade étnica, cultural e social. Existem milhares de tribos diferentes, cada uma com seus costumes, crenças e histórias. Tudo isso, naturalmente, é refletido nas tradições relacionadas ao casamento.

Embora muitas dessas tradições sejam completamente diferentes entre si , e algumas sejam consideradas inaceitáveis em determinadas regiões, existem questões e detalhes em comum nos casamentos celebrados no continente.


Para muitos povos africanos, a preparação do casamento começa ainda na juventude, e uniões arranjadas são comuns. Homens e mulheres recebem orientação para se tornarem parceiros ideais. No caso delas, há algumas que chegam até mesmo a frequentar escolas especiais, onde aprendem a ser boas esposas e como se comunicar entre si acerca dos problemas familiares sem que os maridos percebam o que dizem.
Assim como em outras regiões do mundo, o casamento africano é um evento que celebra a família e a união de duas pessoas. Em alguns locais, toda a comunidade é envolvida na comemoração, e a noiva é vista como a responsável pela continuidade do povo.



A maioria dos casamentos celebrados na África não tem registro legal e, muitas vezes, nem cerimônia religiosa. Apenas a celebração e o cumprimento dos costumes são suficientes para que a sociedade passe a aceitar e tratar um homem e uma mulher como casados.
CELEBRAÇÕES



Muita cor, música e danças: esses são os elementos principais de um típico casamento africano.  Porém, dependendo da região em que o casamento é realizado, as cerimônias podem durar dias e serem extremamente elaboradas. Há também os casamentos coletivos, onde diversos casais são casados ao mesmo tempo.
Na data marcada pelo noivo e sua família, os convidados se dirigem pela manhã ao local da cerimônia, geralmente na casa da noiva, para o inicio da celebração. A família no noivo senta de um lado, enquanto que a família da noiva senta-se do outro lado.
A  cerimônia tem início com uma oração e apresentações e esta é feita pela pessoa mais velha da família do casal.
A família dos noivos começa apresentando o dote e os outros itens da lista, um por um. A negociação é feita e fechada da melhor forma possível para as ambas as famílias. Nessa etapa a noiva não está presente, apenas o noivo, porém este se mantém calado e todo o processo é feito através de uma pessoa designada pela família.
Uma vez que toda a negociação é finalizada, a noiva aparece para que o noivo a reconheça como tal, e após essa confirmação, a noiva confirma, mediante a três intervenções de seu pai, se ela realmente concorda com o casamento.  No final de todo o ritual, o noivo coloca o anel na mão da noiva e podem enfim beijar e abraçar a noiva.
Mais orações são feitas e as bênçãos finais dadas. Uma grande festa é oferecida aos convidados com muita comida, bebida e musica até o anoitecer.


Veja algumas das diferenças nas tradições dos casamentos africanos, de acordo com as regiões em que são realizados:
ANGOLA
Em razão dessas características, o matrimônio tradicional angolano é um evento que, muitas vezes, envolve mais aspectos econômicos e sociais do que o relacionamento amoroso entre duas pessoas. Assim, o pedido de casamento é um processo bem mais importante do que a cerimônia ou a união em si.
O “alambamento” é uma tradição muito forte em Angola, que persiste até os dias de hoje. Esse processo é iniciado quando o noivo ou sua família enviam uma carta à família da noiva, manifestando interesse no casamento. A aprovação da família é fundamental para que a matrimônio se concretize. Por isso, esse pedido formal é muito importante.
O responsável por cuidar do alambamento é o tio da noiva, que escolhe uma data para que o futuro marido peça a mão de sua sobrinha pessoalmente. O tio também é responsável por confeccionar uma lista com itens que o noivo deve providenciar até esse dia. Em geral, a lista é composta por uma quantia de dinheiro, engradados de cerveja e refrigerante, animais, ouro e sapatos para a família.
No dia estipulado, o noivo deve ir até a casa de sua futura esposa para se apresentar formalmente e anunciar o início do pedido de casamento. A lista de itens exigidos é lida em voz alta para que o pai da noiva concorde com seu conteúdo. Em seguida, o noivo apresenta os itens que juntou. Caso todas as exigências tenham sido cumpridas, as famílias imediatamente se reúnem para marcar o "grande dia" e providenciar outros detalhes do evento.
Há uma grande festa em comemoração ao “alambamento”, com música, dança e bebidas (as mesmas providenciadas pelo noivo). A cerimônia de casamento em si costuma ser bem mais simples. Muitas vezes, ela se torna até desnecessária, uma vez que os noivos passam a ser considerados marido e mulher assim que os itens da lista de pedidos do tio são aceitos pela família da noiva.
ETIÓPIA
A tribo “Karo” decora suas noivas com tatuagens no abdômen que contem diferentes símbolos, de acordo com a história de vida da noiva e sobre o casamento.
Na tribo “Amhara”, muitos casamentos são negociados pelas duas famílias. A cerimônia civil sela o contrato, esta pode ter um sacerdote presente ou não. Existe também o casamento temporário, que é feito através de um acordo verbal antes de ser realizado o casamento em frente às testemunhas.
GANA
A cerimônia do casamento de Gana é uma cerimônia tradicional, onde o noivo acompanhado por sua família formalmente pede a mão da noiva em casamento na presença de familiares, amigos e simpatizantes. A tradicional cerimônia é um rito necessário comum de casamento para todos os casais de Gana. Porém nos dias de hoje, a maioria dos casais também realizam o casamento em uma igreja ocidental, além da cerimônia de casamento tradicional.
NAMÍBIA
O povo Himba da Namíbia rapta a noiva antes da cerimônia do casamento e coloca-lhe uma espécie de coroa feita em pele. Depois da cerimônia ela é levada à casa da família onde passará a morar e recebe suas novas responsabilidades de casada. Depois ela é besuntada de manteiga para lhe demonstrar que foi bem aceite na família.  
NIGÉRIA
Os Wodabee da Nigéria cortejam as primas para casar. Os rapazes usam amuletos poderosos para demonstrar o seu encanto às suas primas. Se existirem 2 primos que pretendam a mesma mulher, esta escolhe um deles, sendo o outro primo convidado a ser amigo do casal e a freqüentar a sua casa, e por vezes até a sua cama! 
QUÊNIA
Para a tribo Massai, os noivos são escolhidos pelos familiares e já estão predestinados desde criança. No casamento, as mulheres são casadas com homens que não conhecem, usualmente muito mais velhos que elas. A noiva recolhe todos os seus bens, e é vestida com as mais finas jóias. Durante a cerimônia, o pai da noiva cospe na sua cabeça e peito como sinal da sua bênção; depois a noiva parte com o seu marido para a sua nova casa sem olhar para trás, pois reza a lenda, que se assim não fizer ela transformar-se-á em pedra.
O povo Swahili banha as noivas em óleos de sândalo e tatuam henna nos seus pés e mãos. Uma mulher mais velha dá instruções à noiva sobre como ser uma boa esposa, como agradar e fazer sentir bem o seu marido. Por vezes, esta mulher mais velha esconde-se por debaixo da cama dos recém-casados para o caso de serem necessárias instruções adicionais.
Em outras regiões do Quênia, a maior festa do casamento é a “Kupamba” realizada na noite após o casamento, sendo basicamente criada para exibir a noiva para as outras mulheres da tribo. Esta festa é exclusiva para as mulheres onde os homens não podem entrar, pois nela os véus são retirados e as mulheres poderão exibir seus pentados e jóias, o que a torna uma verdadeira competição. Segundo eles a mulher que possui melhores jóias é a que tem melhor marido.
Para o povo Samburu o casamento é uma serie de rituais elaborados. Se inicia pela preparação dos presentes do noivo (duas cabras, dois brincos de cobre, um recipiente para leite, uma ovelha) e de presentes para a cerimônia. O casamento é finalmente celebrado quando um touro entra na cabana onde está a noiva e sua mãe, e este é morto.
SENEGAL
Nas tradicionais cerimônias de casamento desta região da África, os pais do noivo envia o seu filho mais velho para a cada dos pais da noiva, e junto com ele o dote (que pode ser em dinheiro, carros ou até casas). Os pais da noiva a consultam para saber se ela aceita tal união. Após a confirmação as duas famílias escolhem e marcam a data do casamento. Um dia antes da data escolhida, a família do noivo promove uma festa para a noiva e para prepará-la para viver com sua nova família. O casamento é realizado na casa do noivo. Os pais recebem os convidados com comida e bebidas não alcoólicas, enquanto esses trazem presentes em dinheiro, bebidas, açúcar ou especiarias.
SUDÃO
No povo Neur do sul do Sudão, o noivo tem de pagar de 20 a 40 cabeças de gado à família da sua noiva e o casamento só é considerado completo depois de a mulher ter dado à luz 2 filhos. Se a mulher não conseguir dar à luz, ele pode pedir o retorno das cabeças de gado. No entanto, se o marido falecer, a família do noivo deverá providenciar um irmão do falecido à viúva e este deverá adotar as crianças do seu irmão como suas.
ZIMBABUE
Na tribo Shona, o casamento é um processo que pode durar vários meses. O noivo paga um dote para casar, porem quem decide a data é a noiva, e esta não avisa ao marido, ou seja, a data é um segredo. Acompanhada de seus parentes ela caminha até a aldeia do noivo coberta de branco da cabeça aos pés, ninguém poderá ver seu rosto. Enquanto caminha, a família dança e solta sons ululantes e preparam uma festa improvisada.
A noiva coberta, percorre toda a vila ao passo que moradores e familiares jogam dinheiro aos seus pés e cantam musicas sobre casamentos felizes. Ela é consuzida por sua mãe, até a casa da justiça, uma espécie de cartório, onde tira o véu. Sua família e os demais presentes a vê pela primeira vez e uma grande festa com comida, bebida e muita dança é servida até o amanhecer. 


CURIOSIDADES
  • Na Mauritânia, noroeste da Africa, é comum as meninas serem obrigadas a engordar para conseguir se casar. Veja mais nessa matéria aqui
  • No norte de África o Islamismo está mais presente e mais para o sul surge o Cristianismo, o Hinduísmo e até algumas tradições Judaicas misturadas com outros costumes antigos.
  • Em algumas regiões africanas, o noivo é investigado a fundo a fim de descobrir motivos que possam negativar o pedido de casamento. Tais investigações vão desde verificar se a família do noivo possui alguma doença crônica ou deficiência genética, passa pela pesquisa de antecedentes criminais de sexuais, se o noivo possui filhos legítimos de outro casamento e até testes para ver se o noivo possui bom caráter e é bem dotado sexualmente. 
  • Mulheres que não podem ter filhos assumem o papel de homem em relacionamentos homossexuais no Quênia, veja a matéria completa aqui.
E já que não consegui muitas imagens, segue alguns vídeos de casamentos tipicamente africanos: 

Casamento Africano realizando em Maryland, nordeste dos Estados Unidos. 



Interessante esse video de um casamento legitimo realizado na Africa.
Reparem que o tapete do cortejo é com panos das pessoas da comunidade. Prestem atenção, assim que a noiva passa eles retiram o pano e colocam na frente para contruir o caminho da noiva, trabalho em grupo minha gentem ... 



Mais um vídeo de um casamento africano, com explicações das crenças e tradições (em inglês)



Gostaram?
Diferente né?
Eu até gostei do casamento nos EUA, mas quem gosta de motivos tribais, que tal trazer a África para o seu casamento. Tem até um Buffet em SP que toda a infra estrutura é pensada para um evento com essa temática, veja só:

Para maiores informações, acesse Buffet Afrikan House. Eu já fui e super recomendo.

Eu vou indo, mas amanhã tem mais !!
Bjinhuss ...

Fontes:
Textos e Imagens